Carregando

Catedral Bom Jesus

Desde 20 de junho de 1919, quando Dom Lúcio Antunes de Souza, então Bispo da Diocese de Botucatu, promoveu mudanças na região, Ourinhos acompanhou alterações na edificação central da cidade com a criação da Paróquia do Senhor Bom Jesus.

Na ocasião, foi nomeado como primeiro vigário o Padre Adauto Rocha, que permaneceu na comunidade até 11 de abril de 1920. No entanto, o ano de 1920 ficaria marcado na história da região, uma vez que em 07 de junho, uma multidão se reuniu no Largo Dr. Mello Peixoto para o lançamento da pedra fundamental para a construção da Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus.

Chegado ao município em 11 de junho do mesmo ano, o novo pároco: David Corso, em 05 de novembro de 1922 abençoou solenemente o primeiro sino instalado na nova Igreja.

As obras seguiram sob os olhares atentos dos ourinhense, até que no dia 24 de dezembro de 1923, o Altar-Mor, uma obra de Camilo de Cároli, de Cerquilho (SP) foi apresentado à comunidade. Dois anos mais tarde, em 25 de dezembro de 1925, foi celebrada a Primeira Missa na nova Igreja e, no mês seguinte, já em 1926, foi empossado o Padre Francisco de La Torre Lucena.

Párocos importantes passaram pela Matriz e contribuíram para o desenvolvimento da fé cristã em Ourinhos e Região. E, em 20 de março de 1941 tomou posse como vigário paroquial: Padre Eduardo Murante, um religioso com olhar inovador, que deixaria marcas relevantes no cristianismo local.

Jovem, o padre verificou a necessidade de crescimento da Matriz e, em julho de 1943, após assembleia geral, constituiu a “Comissão Diretora da Construção da Igreja Matriz”, formada por: presidente honorário: Dom Luiz Maria Sant’Anna – Bispo de Botucatu; presidente: padre Eduardo Murante; vice-presidente: Pedro Médici; 1º secretário: Antonio Luiz Ferreira; 2º secretário: Benedito Monteiro; 1º tesoureiro: Cândido Barbosa Filho; 2º tesoureiro: Waldomiro Eusébio de Camargo; vogais – Pedro Mattar, Henrique Tocalino, Ítalo Ferrari, Horácio Soares e Manoel de Freitas.

Desapropriada por meio do Decreto 109, de 02 de fevereiro de 1944, a área entre as Ruas Antonio Carlos Mori, Cardoso Ribeiro, Arlindo Luz e Rio de Janeiro foi escolhida para a edificação da sede da igreja católica.

Dois anos mais tarde, em 1944, foi lançada a pedra fundamental da nova Igreja Matriz, com uma missa campal, celebrada pelo Bispo de Botucatu, Dom Frei Luiz Maria de

Desde 20 de junho de 1919, quando Dom Lúcio Antunes de Souza, então Bispo da Diocese de Botucatu, promoveu mudanças na região, Ourinhos acompanhou alterações na edificação central da cidade com a criação da Paróquia do Senhor Bom Jesus.

Na ocasião, foi nomeado como primeiro vigário o Padre Adauto Rocha, que permaneceu na comunidade até 11 de abril de 1920. No entanto, o ano de 1920 ficaria marcado na história da região, uma vez que em 07 de junho, uma multidão se reuniu no Largo Dr. Mello Peixoto para o lançamento da pedra fundamental para a construção da Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus.

Chegado ao município em 11 de junho do mesmo ano, o novo pároco: David Corso, em 05 de novembro de 1922 abençoou solenemente o primeiro sino instalado na nova Igreja.

As obras seguiram sob os olhares atentos dos ourinhense, até que no dia 24 de dezembro de 1923, o Altar-Mor, uma obra de Camilo de Cároli, de Cerquilho (SP) foi apresentado à comunidade. Dois anos mais tarde, em 25 de dezembro de 1925, foi celebrada a Primeira Missa na nova Igreja e, no mês seguinte, já em 1926, foi empossado o Padre Francisco de La Torre Lucena.

Párocos importantes passaram pela Matriz e contribuíram para o desenvolvimento da fé cristã em Ourinhos e Região. E, em 20 de março de 1941 tomou posse como vigário paroquial: Padre Eduardo Murante, um religioso com olhar inovador, que deixaria marcas relevantes no cristianismo local.

Jovem, o padre verificou a necessidade de crescimento da Matriz e, em julho de 1943, após assembleia geral, constituiu a “Comissão Diretora da Construção da Igreja Matriz”, formada por: presidente honorário: Dom Luiz Maria Sant’Anna – Bispo de Botucatu; presidente: Padre Eduardo Murante; vice-presidente: Pedro Médici; 1º secretário: Antonio Luiz Ferreira; 2º secretário: Benedito Monteiro; 1º tesoureiro: Cândido Barbosa Filho; 2º tesoureiro: Waldomiro Eusébio de Camargo; vogais – Pedro Mattar, Henrique Tocalino, Ítalo Ferrari, Horácio Soares e Manoel de Freitas.

Desapropriada por meio do Decreto 109, de 02 de fevereiro de 1944, a área entre as Ruas Antônio Carlos Mori, Cardoso Ribeiro, Arlindo Luz e Rio de Janeiro foi escolhida para a edificação da sede da igreja católica.

Dois anos mais tarde, em 1944, foi lançada a pedra fundamental da nova Igreja Matriz, com uma missa campal, celebrada pelo Bispo de Botucatu, Dom Frei Luiz Maria de Santana.

Iniciadas em 1945, as obras realizadas com doações e arrecadações em eventos, evoluíram até o final de 1949, quando foi finalizada a cobertura da igreja e celebrada a “Missa do Galo”. As torres, que embelezam o belo edifício, foram levantadas na gestão do vigário Padre Domingos.

Nos primeiros anos da década de 1950, as cerimônias religiosas aconteciam tanto na “igreja velha”, na Praça Mello Peixoto, quanto no “novo templo”, até que em 1956, houve a desativação da antiga edificação e a demolição do prédio.

Elevada a Catedral de Ourinhos em 30 de dezembro de 1998, pelo Papa João Paulo II e integrante da Arquidiocese de Botucatu, a igreja é sede Bispado da Diocese do mesmo nome e gerida pelo italiano Dom Salvador Paruzzo.

A Diocese de Ourinhos é constituída das seguintes cidades: Alvinlândia, Bernardino de Campos, Campos Novos Paulista, Canitar, Chavantes, Espírito Santo do Turvo, Fartura, Ibirarema, Ipaussu, Lupércio, Manduri, Ocauçu, Óleo, Ourinhos, Piraju, Ribeirão do Sul, Salto Grande,Santa Cruz do Rio Pardo, São Pedro do Turvo, Sarutaiá, Taguaí, Tejupá, Timburí e Ubirajara.

Onde? Rua Arlindo Luz, 355 – Centro

Contato? 14 3322.3868

Santana.

Iniciadas em 1945, as obras realizadas com doações e arrecadações em eventos, evoluíram até o final de 1949, quando foi finalizada a cobertura da da igreja e celebrada a “Missa do Galo”. As torres, que embelezam o belo edifício, foram levantadas na gestão do vigário Padre Domingos.

Nos primeiros anos da década de 1950, as cerimônias religiosas aconteciam tanto na “igreja velha”, na Praça Mello Peixoto, quando no “novo templo”, até que em 1956, houve a desativação da antiga edificação e a demolição do prédio.

Elevada a Catedral de Ourinhos em 30 de dezembro de 1998, pelo Papa João Paulo II e integrante da Arquidiocese de Botucatu, a igreja é sede Bispado da Diocese do mesmo nome e gerida pelo italiano Dom Salvador Paruzzo.

A Diocese de Ourinhos é constituída das seguintes cidades: Alvinlândia, Bernardino de Campos, Campos Novos Paulista, Canitar, Chavantes, Espírito Santo do Turvo, Fartura, Ibirarema, Ipaussu, Lupércio, Manduri, Ocauçu, Óleo, Ourinhos, Piraju, Ribeirão do Sul, Salto Grande,Santa Cruz do Rio Pardo, São Pedro do Turvo, Sarutaiá, Taguaí, Tejupá, Timburí e Ubirajara.

Onde? Rua Arlindo Luz, 355 – Centro

Contato? 14 3322.3868

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *